Como as escolas podem ensinar o pensamento científico desde a educação básica - Christus

Como as escolas podem ensinar o pensamento científico desde a educação básica

Como as escolas podem ensinar o pensamento científico desde a educação básica

.

Andréia Michelon Gobbi

Começo com uma questão: como é possível ensinar o pensamento científico nas escolas, uma vez que ela mesma distanciou e mistificou a figura dos cientistas? Quando se fala em Educação Científica ou Alfabetização Científica – expressões que estão em voga nos meios acadêmicos –, é necessário pensar na abordagem que a escola tem dado ao ensino de Ciências. Um dos aspectos a ser considerado está justamente na utilização do termo “Ciência” apenas para o conjunto de saberes que tratam do componente curricular de Ciências Naturais (no Ensino Fundamental) ou às disciplinas de Física, Química e Biologia (no Ensino Médio). O termo “Ciência” é muito mais abrangente e envolve todas as áreas, visto que formam o conjunto de conhecimentos científicos já consolidados, que constituem os conteúdos da base nacional comum.

Outro fator determinante para o distanciamento entre a escola e a figura dos cientistas é a transposição didática dos conhecimentos científicos, isto é, a forma como o conteúdo é passado para o aluno. É preciso levar em consideração a relação dos saberes escolares com a realidade dos estudantes em questão. É preciso ressaltar que realidade não se trata do contexto socioeconômico, mas do cotidiano, das vivências, do mundo que nos cerca. E como pensar na realidade de forma isolada, sem estabelecer conexões entre as diversas áreas? Faz-se necessário ensinar os estudantes a pensar como cientistas. A tarefa é complexa e requer método e organização.

Não podemos ensinar Ciência hoje com metodologias utilizadas há 20 anos. Os estudantes têm acesso à informação de forma fácil e rápida, principalmente com o advento da internet. Além disso, já não é mais papel do professor “dar informações” ou “passar conteúdos”, mas sim organizar, sistematizar e mediar informações, garantindo que elas se transformem em conhecimento efetivo. Nós, profissionais da educação, temos um papel fundamental, ainda nas séries iniciais: não destruir a curiosidade das crianças. Instigar essa característica, que é inata, é essencial. A motivação que o professor promove nos ambientes escolares pode despertar vocações ou aniquilar a ânsia pelo saber.

Os Quatro Pilares da Educação para século XXI (Unesco, 1999) – Aprender a Conhecer, Aprender a Fazer, Aprender a Viver com os Outros e Aprender a Ser – exigem a elaboração de didáticas que vão ao encontro do desenvolvimento de habilidades e competências que transcendem a resolução de exercícios de fixação e questionários decorados após uma aula expositiva. Ao buscar situações de aprendizagem que levam os estudantes a tomar postura de cientistas, podemos propor a resolução de problemas como ponto de partida. A questão é que não se tratam de problemas matemáticos, no qual já se espera uma resposta exata associada a um conceito de grandeza, e sim de problemas oriundos de observações feitas por meio das vivências dos estudantes em seu bairro, cidade, escola, família.

Primeira etapa: identificar o problema

Como professora de Metodologia Científica, trabalho o método científico como tema transversal, buscando a investigação como ação principal na busca da resolução de problemas que os estudantes apresentam, e não a partir de um tema imposto. A princípio, os estudantes trazem o problema e, na sequência, planejam o estudo, constituindo um documento escrito que resulta no projeto de pesquisa. Após a discussão com os professores e análise da viabilidade de execução do projeto, inicia-se a investigação, com a orientação de um ou mais professores da área do conhecimento em que o trabalho mais se aproxima.

Ao longo da investigação, os estudantes esclarecem suas dúvidas em sala de aula e por meio das redes sociais, utilizando ferramentas de tecnologia digital para a construção do conhecimento. Dependendo do objeto de estudo do trabalho, visitam empresas e universidades, conversam com profissionais de diferentes ramos, coletam informações, buscam materiais e estabelecem uma forma cooperativa de aprender. Além disso, os estudantes aprendem a utilizar o editor de textos e se apropriam das normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), viabilizando o ensino das questões éticas, bem como a forma adequada de referir-se a conhecimentos de outros nas produções escritas, respeitando as propriedades intelectuais. Ao compilar textos e registros que resultam nas referências que subsidiam a parte teórica dos trabalhos e que se relacionam com os saberes aprendidos na escola, compreendem as informações e obtêm as respostas para os fenômenos que se apresentam ao passo que a pesquisa avança.

Quando os estudantes chegam a um resultado, devem analisá-lo e explicá-lo, de acordo com os pressupostos dos saberes que embasam a teoria que envolve a investigação. E assim compreendem que a investigação não resulta em uma verdade absoluta, podendo ser retomado e remodelado, levando a novos questionamentos e a novas investigações, como a Ciência procede de fato.

Para apresentar os resultados, eles escrevem relatórios de pesquisa, dentro de padrões e critérios específicos, e confeccionam os painéis que servirão de base para apresentação oral em uma mostra de trabalhos da escola. Após a realização da mostra, os relatórios devem ser transformados em artigos científicos, agrupados nos anais do evento, que ficam disponíveis na biblioteca da escola.

Estudantes como protagonistas

No contexto geral, professores e estudantes praticam a teoria da ação dialógica de Paulo Freire, protagonizando interação, observação, experimentação, registro, comparação, intervenção, organização, comprometimento e responsabilidade, cumprindo com os pressupostos dos quatro pilares da educação. Ao longo do processo investigativo, automaticamente, os estudantes aproximam seu modo de pensar e enxergar o mundo ao pensamento científico. mapa satelital Trabalhando dessa maneira, é possível que os estudantes sejam protagonistas no processo de ensino/aprendizagem e, de acordo com suas capacidades cognitivas, elaborem e estabeleçam relações entre os saberes aprendidos na escola e em sua vida.

Vencedora do Prêmio Jovem Cientista deste ano, na categoria Ensino Médio, a estudante Joana Meneguzzo Pasquali vivenciou essa sequência didática durante três anos, apresentando diferentes problemas de pesquisa em cada uma das séries. O problema apresentado no 3º ano do Ensino Médio foi a adulteração no leite UHT, divulgada em diversos meios de comunicação. Pelo fato de residir no Rio Grande do Sul, Estado onde as fraudes foram descobertas, a questão se apresentou como um problema social, de saúde pública e de negligência, que necessitava de uma solução para os consumidores identificarem se o produto contido na embalagem corresponde ao descrito no rótulo.

Estudante cria fita que acusa fraude no leite

Joana realizou todo o processo de investigação e apresentou o resultado na 3ª mostra da escola. Como o conteúdo do trabalho estava diretamente ligado ao tema da 28ª edição do prêmio,“Segurança Alimentar e Nutricional”, inscrevemos o trabalho na categoria Ensino Médio. A alegria e a emoção de ter o trabalho premiado foram indescritíveis. Mais do que a premiação e o reconhecimento de um trabalho que envolve muitas pessoas, é o maior indicador de que estamos no caminho certo, promovendo a educação científica, levando os estudantes a desenvolver o pensamento científico, por meio da resolução de problemas identificados na sociedade, despertando o espírito de cidadania e autonomia na construção do saber.

Educar para a Ciência é formar pessoas buscando um estreitamento das relações entre o universo dos centros acadêmicos e da educação básica. Penso que este seja um dos motes para que a Educação Científica seja mais efetiva. Desse modo, os estudantes estarão aptos a ingressar no Ensino Superior dotados de conhecimentos prévios fundamentais para que seus estudos contribuam com pesquisas e processos que melhorem a sociedade e o mundo em que vivemos.

*Andréia Michelon Gobbi é especialista em Novas Metodologias em Ciência, Matemática e Tecnologia para o Ensino Médio, trabalha com formação de professores em projetos de implementação de Clubes de Ciências e Mostras Científicas e Tecnológicas e orientou a pesquisa vencedora do 1º lugar do Prêmio Jovem Cientista 2015 (Foto: Arquivo Pessoal)

Publicada em 4 de setembro de 2015.
Para saber mais: http://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/09/educar-para-ciencia.html

Próximos Eventos

Entre em contato conosco


Todos os campos são obrigatórios

Nossas sedes

Colégio Christus Barão de Studart

Colégio Christus Silva Paulet

Colégio Christus Nunes Valente

Colégio Christus Dionísio Torres

Colégio Christus Parquelândia I

Colégio Christus Parquelândia II

Colégio Christus Parquelândia III

Colégio Christus Jovita Feitosa

Colégio Christus Sul

Colégio Christus Benfica